17 Twitteratura: Usando o Twitter para divulgar autores e livros

Romancista inglês publica conto no Twitter para divulgar seu novo romance. Por que você não usa a mesma estratégia para divulgar sua obra autopublicada?

dm

1. A imprensa inglesa associou o projeto do romancista inglês David Mitchell a um projeto ousado de autopublicação. E isso faz sentido.

2. The Right Sort, um conto de Mitchell, foi publicado durante uma semana no Twitter (início em 14, término em 20 de julho) em 2 fluxos diários de tweets.

3. Não houve consenso entre os jornalistas sobre como nomear um projeto desse tipo: TwitteraturaTwitterficção ou Twicção? David Stephen Mitchell (nasceu em 12 de janeiro de 1969 em Southport , Merseyside, na Inglaterra.)

4. Estudou na Universidade de Kent, onde se formou em Inglês e Literatura Americana e fez um mestrado em literatura comparada.

5. Escreveu 5 romance, dois dos quais, number9dream (2001) and Cloud Atlas (2004), concorreram ao Man Booker Prize.

6. Em uma entrevista à BBC, Mitchell disse que seu editor lhe pediu para usar o Twitter para “alardear” o lançamento, em setembro, de seu próximo romance, The Bone Clocks.

7. Mitchell sequer era um usuário frequente de redes sociais: sua conta no Twitter foi aberta há apenas 4 meses.

8. Mas, no momento em que a ideia de que poderia usar o Twitter como um meio para contar histórias lhe “mordeu”, não teve mais jeito, Mitchell não conseguia mais tirá-la da cabeça.

9. (Essa frase foi lembrada pelo jornal The Guardian).

10. A história é narrada no presente do indicativo por um adolescente que descobre os comprimidos de Valium de sua mãe.

11. Ele gosta do Valium porque este “reduz os hematomas tumultuosos do mundo em pulsos compactos e ordenados” e é por isso que, na história, o menino passa a pensar e viver essa “experiência” em tweets.

 

rightsort

 

12. David confessou em entrevista recente que esperava que a lógica da publicação de seus tweets possa emergir de dentro da própria história, em vez de ser imposta por mim de fora como um artifício.

13. “Talvez os eventos sobrenaturais estejam realmente acontecendo, ou talvez sejam apenas fantasmas químicos.”, disse.

Diazepam é um fármaco da família dos benzodiazepínicos, heterocíclico, pó cristalino, usado como ansiolítico,anticonvulsivante, relaxante muscular e sedativo. É comercializado por vários laboratórios sob marcas comerciais diferentes, entre elas o Valium, da companhia suíça Roche.

14. O autor também não descartava a possibilidade de publicar outros contos no Twitter, caso The Right Sort se tornasse popular.

15. Bem, em algumas horas, a conta do autor no Twitter (@david_mitchell), havia sido citada em mais de 2.000 tweets.

16. Mitchell não foi o primeiro a usar o Twitter para divulgar seu trabalho; também não será o último.

17. Em 2012, a autora americana Jennifer Egan, ganhadora do Pulitzer, publicou um conto, intitulado Black Box (Caixa Preta) no Twitter.

18. Neil Gaiman também experimentou com o Twitter em 2012, como uma forma de “inspiração” para sua ficção.

19. Gaiman trabalhou com a empresa BlackBerry em um projeto em que perguntava a 2 milhões de seguidores no Twitter coisas como Qual sua memória mais feliz de Abril?

20. Depois, ele usou as melhores respostas em uma série de histórias chamadas “A Calendar of Tales”.

21. Há alguns anos, o jornal The Guardian também pediu a alguns autores para contarem uma história inteira em apenas 140 caracteres.

22. Que conclusão podemos tirar dessas experiências?

23. Um autor, mesmo que não tenha muita familiaridade com as mídias sociais, mesmo que não seja famoso, pode (e deve) considerar o Twitter, não apenas para se expressar artisticamente, mas também como ferramenta de marketing, na (boa) divulgação de seu trabalho.

Leia aqui (em inglês) o conto “The Right Sort”, de David Mitchell.

 


Para saber mais

License

Feedback/Errata

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *